Etapa 3

 

A Etapa 3 refere-se aos cinco webminicursos, que ocorrem entre 26 e 30 de julho de 2021.

  • Será permitida a inscrição de participantes apenas para a Etapa 3 mediante pagamento de R$ 20,00.
  • Os inscritos* na Etapa 2 têm livre acesso a um dos webminicursos (não pagam taxa referente à Etapa 3, no entanto, devem realizar a inscrição no webminicurso desejado).
  • A inscrição deve ser realizada pelo site do XXIV SNEF, na área de loginA inscrição ocorre de 20/05/2021 à 12/07/2021.
  • A emissão de certificados está condicionada à realização de atividades propostas em cada webminicurso.
  • Cada webminicurso tem capacidade de até 300 vagas on-line. O participante poderá se inscrever em apenas 1 (um)**.
  • O participante terá acesso, nos horários pré-determinados e divulgados na programação do evento, às videoaulas e à plataforma Moodle da UFABC. 
  • No dia 30/07/2021, os professores realizarão uma live (Webinário ao vivo) para discutir questões abordadas nas videoaulas e em eventuais atividades solicitadas. 

 

Webminicurso 1

Ementa: Aula 1. Fenômenos quânticos: Fótons; Interferência de partículas; Interferência e indistinguibilidade. Aula 2. Princípios da mecânica quântica: O princípio da superposição; A regra de Born; Complementaridade; Evolução unitária; O problema da medida. Aula 3. Aplicações a sistemas simples: O interferômetro de Mach-Zehnder; Medida sem interação. 

  • Carlos Eduardo Magalhães de Aguiar [É doutor em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) onde, atualmente, é também professor associado, além de possuir pós-doutorado realizado no Centro Europeu de Estudos teóricos em Física Nuclear e Áreas relacionadas]. 

 

 Webminicurso 2

Ementa: Neste curso, trabalharemos em três frentes distintas, mas complementares, para discutir possibilidades de uso de conteúdos da História da Física no Ensino: fontes primárias, redes históricas e história das mulheres. Seguem alguns tópicos de discussão: Parte 1 - A “História da Física” como uma área de pesquisa; Fontes primárias: o que são?; Propostas para o uso de fontes primárias em situações de sala de aula; Um exemplo utilizando Benjamin Franklin e a eletricidade. Parte 2 - Fontes Históricas e cibercultura (questões para o Ensino de Física); A pesquisa em redes históricas; Bancos de dados digitais; Experiências didáticas; Circulação do conhecimento sobre Instrumentos óticos no Século XVII; O advento das máquinas a vapor na Inglaterra do século XVIII. Parte 3 - Uma história da história das mulheres nas ciências; Contribuições da história das mulheres na física para uma educação anti-opressão; Episódios históricos e suas potencialidades para a sala de aula; Encerramento.

  • Breno Arsioli Moura [É licenciado em Física pela Unicamp e mestre e doutor em Ensino de Ciências pela USP, com ênfase em História das Ciências. Desde 2013, é Professor Adjunto da Universidade Federal do ABC (UFABC). Realizou estágios pós-doutorais no Departamento de História da Universidade da Califórnia e no laboratório SPHÈre. Atualmente, é um dos editores da Revista Brasileira de História da Ciência (RBHC)].
  • Indianara Lima Silva [Licenciada em Física pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Doutora em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), com estágio de doutoramento em Program in Science, Technology, and Society, Massachusetts Institute of Technology (MIT). É, atualmente, Professora Adjunta B do Departamento de Física da UEFS, Professora Permanente e Vice-Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências (UFBA-UEFS)].
  • Marlon C. Alcântara [Doutor em Ciência, Tecnologia e Educação (CEFET-RJ), Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pelo CEFET-RJ (2011), graduado em Licenciatura em Física pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2006). Membro do International History, Philosophy and Science Teaching Group (IHPST)]. 

 

Webminicurso 3

Ementa: O curso visa construir subsídios para discutir respostas às seguintes questões: por que devemos confiar na ciência? O que podemos aprender com a ciência? Como construir caminhos para potencializar visões críticas da crise de confiança da ciência? Como distinguir a ciência da pseudociência?

  • Andreia Guerra [Professora do Programa de pós-graduação Ciência, Tecnologia e Educação do CEFET/RJ. Líder do Núcleo de Investigação em Ensino, História da Ciência e Cultura (NIEHCC - https://niehcc.wordpress.com/) Atual presidente do International History, Philosophy, and Science Teaching Group (IHPST – ihpst.net).]
  • Boniek Venceslau da Cruz Silva [Doutor e Mestre em Ensino de Ciências e Matemática e Licenciado em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Pesquisa sobre os seguintes temas: Ensino de Ciências/Física,Base de Conhecimentos para o Ensino, Conhecimento Pedagógico do Conteúdo (PCK) e Natureza da Ciência (NdC).]
  • Paulo Henrique Souza [Professor de física no ensino fundamental e médio. No Ensino Superior atua nas disciplinas de Física, História e Filosofia da Ciência e Metodologia de Ensino de Ciência. Tem Licenciatura em Física, Mestrado e Doutorado em Ciência, na modalidade de Ensino de Física, pela Universidade de São Paulo, além de Licenciatura em Matemática pelo Centro Universitário Claretiano. Sua pesquisa está centrada nas áreas de Ciência como elemento cultural, Epistemologia da Física e Natureza do Conhecimento Científico.] 

   

Webminicurso 4

Ementa: O que vou mostrar neste minicurso, são ferramentas que transformam o celular num poderoso equipamento de coleta de dados e experimentação para o ensino de física. O curso começa com um panorama da mudança do comportamento social e seus impactos na sala de aula. No mesmo dia iremos começar a utilizar a câmera dos nossos celulares para fazer alguns experimentos. A aula seguinte será dedicada a transformar o celular num laboratório de bolso. Vou mostrar como seus sensores podem ser utilizados para realizar diversos experimentos. Vocês reproduzirão os experimentos em casa, com o material disponível. Na última aula gravada, vou apresentar um tutorial de como você pode fazer seu próprio programa de celular. Assim você pode personalizar a sua atividade e ir além dos programas que já estão disponíveis. Na última aula nós vamos discutir os resultados e tirar suas dúvidas sobre os programas utilizados.

  • Daniel Girardi [Possui graduação em Licenciatura em Física, mestrado em Física e doutorado em Mecânica Estatística e Transição de fases pela Universidade Federal de Santa Catarina, além de pós-doutorado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia com enfoque em Sistemas Complexos. Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina, revisor de periódico da Revista Brasileira de Ensino de Física e revisor de periódico da PHYSICA A-STATISTICAL MECHANICS AND ITS APPLICATIONS.].  

 

Webminicurso 5

Ementa: Para quem e para que abordar temas socioambientais em aulas de Física? Quais temas socioambientais discutir em sala de aula? Como selecionar os conteúdos necessários para compreendê-los? De que forma desenvolver e avaliar as aulas realizadas? Essas questões serão discutidas no webminicurso tendo como referência exemplares desenvolvidos em aulas de Física, em diferentes regiões do Brasil. A partir disso, pretende-se dialogar sobre elementos que contribuam para a construção de propostas curriculares balizadas pela perspectiva Freireana e por pressupostos da Educação Ciência-Tecnologia-Sociedade.

  • Roseline Beatriz Strieder [Professora do Instituto de Física da Universidade de Brasília (UnB); atua em Pesquisa, Ensino e Extensão, desenvolvendo, especialmente, ações fundamentadas em Paulo Freire e na Educação Ciência-Tecnologia-Sociedade.]
  • Cristiane Muenchen [Professora do Departamento de Física da Universidade Federal Santa Maria (UFSM); atua em Pesquisa, Ensino e Extensão, desenvolvendo, especialmente, ações fundamentadas em Paulo Freire e na Educação Ciência-Tecnologia-Sociedade.] 
  • Simoni Gehlen [Professora do Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) - Ilhéus/Bahia; atua em Pesquisa, Ensino e Extensão, desenvolvendo, especialmente, ações fundamentadas em Paulo Freire e na Educação Ciência-Tecnologia-Sociedade.]

 


* O XXIV SNEF usa o termo de gênero no masculino considerando a tradução em softwares de acessibilidade e inclusão. Salienta-se que a questão de gênero está contemplada e respeitada neste evento.

** A depender da demanda, pode-se ampliar a participação em mais Webminicursos. Essa informação ficará disponível nos meios de comunicação assim que as vagas forem disponibilizadas. 

*** Os títulos dos Webminicursos foram reduzidos para fácil identificação no Quadro. Ver descrição completa nos cards.