Brasil entra no foco dos raios cósmicos

País se prepara para receber conferência em 2013, onde pesquisadores nacionais terão a oportunidade de discutir e expor seus trabalhos para colegas de vários países

noticia-marco-12Todo mundo só fala em Copa do Mundo e Olimpíada, mas nem só de esporte vive o Brasil. O Rio de Janeiro sediará em julho do ano que vem a 33ª Conferência Internacional de Raios Cósmicos, importante evento da IUPAP (União Internacional de Física Pura e Aplicada, na sigla inglesa).  Realizado a cada dois anos sob os auspícios da C4 (Comissão sobre Raios Cósmicos), ele irá reunir em sua próxima edição cerca de 1.500 especialistas de várias partes do mundo, para discutir o futuro das pesquisas com radiações de origem cósmica.

Toda a organização da conferência estará a cargo da equipe brasileira, composta por pesquisadores de excelente reputação no exterior.  “Isso dará uma boa exposição dos cientistas brasileiros atuando na área”, afirma Ronald Cintra Shellard, vice-presidente da SBF (Sociedade Brasileira de Física) e membro brasileiro da C4. Ele chefiará a conferência realizada no Brasil.

Os raios cósmicos são partículas com muita energia e que bombardeiam constantemente o planeta Terra. Seu estudo permite uma visão mais íntima da natureza das partículas, bem como a formação e evolução do Universo. Devido à complexidade e ao valor gasto na realização de experimentos, o estudo dos raios cósmicos tem demandado competências de vários países, trabalhando de forma conjunta e colaborativa.

Aliás, atualmente, um dos assuntos mais discutidos na comissão sobre raios cósmicos é a mudança do seu próprio nome, pois as ações dela têm abrangido não apenas os chamados raios cósmicos, mas também os raios gama de alta energia (compostos pelas mesmas partículas da luz comum, mas com energia muito acima da luz visível), neutrinos de origem extraterrestre e até mesmo a matéria escura, um dos grandes mistérios da Física atual. Discute-se a mudança do nome para “Comissão de Astropartículas”, mas a definição terá de passar pela Assembleia Geral da IUPAP para poder entrar em vigor.

A comunidade de físicos brasileiros na IUPAP tem um perfil jovem, quando se compara às de outros países. Não na idade de seus membros, mas em sua tradição (são cerca de 70 anos apenas) e no vanguardismo de seus cientistas, que têm apontado visões variadas sobre os grandes temas discutidos nessa e em outras comissões.  

Segundo Shellard, a comunidade de Física brasileira já tem um amadurecimento que permite contribuir para o debate dos grandes temas que afetam o futuro da Física como disciplina de inquirição intelectual. “O que nos falta ainda é autoconfiança, mas que virá com a experiência dos debates nestes fóruns”, diz o físico.

Shellard é um dos 11 brasileiros escolhidos como membros de comissões da IUPAP. Confira abaixo a lista completa dos eleitos, em Assembleia Geral realizada no ano passado.

Vanderlei Salvador Bagnato
C2 - Comissão sobre Símbolos, Unidades, Nomenclatura, Massas Atômicas e Constantes Fundamentais

Ronald Cintra Shellard
C4 - Comissão sobre Raios Cósmicos

Rita Maria Cunha de Almeida
C6 - Comissão sobre Física Biológica

Belita Koiller
C8 - Comissão sobre Semicondutores

Sergio Ferraz Novaes
C11 - Comissão sobre Partículas e Campos

Alinka Lepine-Szily
C12 - Comissão sobre Física Nuclear

Paulo Murilo de Castro Oliveira
C13 - Comissão sobre Desenvolvimento da Física

Roberto Nardi

C14 - Comissão sobre Educação na Física

Ricardo Magnus Osorio Galvão
C16 - Comissão sobre Física de Plasma

Sérgio Carlos Zilio
C17 - Comissão sobre Eletrônica Quântica

Ronald Dickman

C20 - Comissão sobre Física Computacional

CONTATOS
Ronald Shellard (CBPF)
Tel: 0/xx/21 8886-0057
E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Assessoria de Comunicação da SBF
Salvador Nogueira
E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Tel: +55 11 9178-9661

 

PION

Portal SBF de
Divulgação da Física